a verdade

Olhem só para a pergunta. O que é a verdade? O que vejo, o que me contam? Mas como me contam, porque me contam, de onde me contam? O que é gritado ou o silêncio, o murmúrio, o segredo. Talvez o megafone, a câmara, clara ou escura, a cores ou sem cor nenhuma? Continuo, quero saber a verdade, mas chegam-me contradições. Será a verdade contraditória. Será a verdade mentirosa? Se for, que se veja, se mostre, se revele. Talvez seja cobarde. Mas falam dela como sendo de coragem. A coragem da verdade. Vejo imagens, revejo, contam-me, calam, não me calam. Pergunto. Espreito, pode ser que não se tenha prevenido. Cautelosa, verdade tímida, discreta? Ou sem vergonha, inconveniente e incómoda, verdade sem jeito, improvável, inverosímil. Ver para crer. Terá a verdade algo a ver com fé? Vejo o que me mostram e acredito? E se a verdade não se revelar? O que sei eu? Procuro a verdade, é verdade, mas não terei ido na mentira apresentando-a como um facto? Talvez seja ilusão, mas isso não é o contrário de verdade? A não ser que a verdade aspire a ser uma ilusão. Mas sonhei que era verdade e isso não foi mentira. Então porque acordo com a certeza desfeita só porque vi um vídeo diferente. Fico à espera para compor a minha verdade. Talvez seja só um puzzle.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s